26.2.07

all beauty




~











hOje a minha felicidade

é iGual à de todas as Mulheres da minha terRa


eStender a leNta roupa ao soL

qUe eMbala


liMpar as mãos no aVental

aMaSsar

escoRrer no Vinho o pãO


fazer a Sopa


faZer a sopa







[ fot memória-palha

9 comentários:

anatema disse...

Qué mayor felicidad que tender la ropa, ver la luz y amasar el pan...

Esa felicidad sólo es apreciable por quién ha vivido eso alguna vez. O al menos lo ha visto hacer.

Ya ves, un texto tan breve y has conseguido remontarme a los días de mi infancia, a mis abuelas, a mi madre, a mis felices días en mi pueblo natal.

Un abrazo.

Alex disse...

Ah, a nostalgia dos campos verdes e das casas de pedra...

A felicidade das coisas simples... ou se calhar nem tanto... pontos de vista diversos... dicotomia campo-cidade, a eterna atracção... por vezes fatal...

Vim retribuir o comentário no meu Fundamentalidades e dizer que vou seguir com atenção este blog. Aproveito para referir que - e em virtude de o gmail me ter desactivado o mail e os blogues (ainda existem e podem-se comentar mas eu não posso por lá mais nada) - o Fundamentalidades - parte 2 já está activo - é só clicar ali no Alex e vai-se lá parar!!! O meu novo e-mail é
alex.gandum@gmail.com

Beijinhos. Obrigado. E tudo de bom!!!!

luís disse...

Até tem cheiro que
nem só de rosas
os cheiros...
Olha pra mim! Daqui a poeta vai um passinho...hahaha!

Beijo

violeta disse...

Não me falem de sopa que eu sou como a Mafalda!

patricia disse...

quintal
em face
das costas da casa

roupa alva

lava
do mel
a escorrer no pão

néctar
maná

do rochoso

***

un dress disse...

a mafaldinha e a sopa!!:)

e a nostalgia

os cheiros

a rosa ( com espinhoS)

e o quintal

(um outro poema a continuar...)

beijos muitoS

Rodolfo disse...

O cotidiano é poesia, para quem sabe ver e revelar.

If all beauty must die, all beauty must live! For immortality is no for beauty for mortals.

un dress disse...

sim agora sei isso cada vez meelhor!...

obrigada rodolfo :)

Alessandra disse...

delicia de sopa de letras, palavras-pão nosso de cada dia!!! Abraço tipo quebra-costela!