30.8.14













Ainda nos aguardam algumas coisas boas antes do Inverno
se voltar a instalar definitivamente.

Os cachos de uvas azuladas ficaram doces e tenros, os jovens rapazes cantarão ao colhê-los, ao passo que as cabeças das raparigas, envoltas em lenços coloridos, aparecerão entre as folhas da videira como belas flores campestres.

Ainda nos aguardam algumas coisas boas, e algumas delas que hoje nos parecem amargas afigurar-se-nos-ão doces, uma vez que tenhamos aprendido a arte de morrer.

Entretanto esperamos que as uvas amadureçam, que as castanhas caiam, façamos votos de poder disfrutar o próximo plenilúnio,vamos ficando visivelmente velhos, é certo, mas ainda assim olhamos a morte bem de longe. De acordo com as palavras de um poeta:
Como é magnífico
Um tinto de Burgúndia, o lume de um fogão,
E, por fim, uma morte suave -
Mas mais tarde, hoje ainda não!


*


texto de herman hesse ... (...) nunca deixei de encarar a minha vida adulta e o envelhecimento como uma espécie de comédia. ...

in elogio da velhice. alterado.





[ mondfrau.robert.zabel

22 comentários:

un dress disse...

bOm


Dia

Eufrázio Filipe disse...

Rir é saudável.O sono é a antecâmara da morte.Bom dia com sonhos acordados.

jjLeandro disse...

Aqui quando a vida está mt boa dizemos que não queremos nem morrer à prestação(aos poucos).

abcs

Abssinto disse...

A doce resignação...Assim vale a pena. (tenho-me esquivado a ocupar deste pensamento).

bj

Ana Duarte disse...

Eu não sei... mas gosto tanto.



Dormiste bem?

Eyes wide open disse...

:) bOa nOite!

[gosto muito de Hesse]

*

Miosotis disse...

Bom, mesmo!
Herman Hess e a peça musical!

Mt sensibilizada pelo olhar poisado em meu espaço!
Bom f-s!

MARIA VALADAS disse...

Bom dia...Un dress!

Todos esperamos e sempre com esperança por algo...seja o que for!
Adorei o post... muito bem escolhido o tema. Momentos de reflexão....

Beijos

Maria

Freyja disse...

todo tiene valor si lo hacemos con dignidad
crecer, madurar y envejecer son ciclos de vida que vamos cumpliendo todos
te dejo un abrazo y que estes muy bien
besitos



besos y sueños

patricia disse...

Quero envelhecer no meio dos livros. Quero envelhecer dentro das páginas, a caminhar nas linhas a tropeçar nas palavras e a apoiar-me nas margens.

Quero morrer espalmada num livro, ficar marcador eterno, pó que dá cor às lombadas... quero!

Quero sobretudo viver e envelhecer e morrer nos livros a saber que há livros que deixei, mas que terei uma eternidade após para os visitar, para os acompanhar...

A propósito de um livro que leio, da morte e do envelhecer...

apeteceu-me!

beijos***

~l disse...

"Com a vara calculei a distância entre os dias
A vara, pensei, vai florir
Posso incliná-la para uma criança a colher"
(do Daniel Faria)

E no entanto, a mim, o peito aperta-se; a desconhecer o quê?

MARTA disse...

Texto interessante - quem não quer uma morte suave??
Apreciar coisas boas da vida e saber que as viveu...
Bom domingo
Beijos e abraços
Marta

un dress disse...

...vestígios de azul que guardo no bolso quando venho do céu...diz

Ana Duarte.

un dress disse...

mas.mais.tarde.hoje.ainda.não.

EUFRÁSIO

LEANDRO

ABSSINTO

ANA DUARTE

EYES WIDE OPEN

MIOSOTIS

MARIA VALADAS

FREIJA

PATRÍCIA

LUÍS

MARTA

bem vindos. obrigada por este "passinho" aqui rumo à comédia...:)

doze abraçOs. doze beijOs.

un dress disse...

FREYJA, assim é que é...sorry :)

beijO

alice disse...

belíssimo, un dress. gosto muito deste autor. e o post é mágico *

un dress disse...

obrigada querida alice.

gostei de fazer o post
mas a ideia do tempo que passa e da morte, ainda que adiada,
não será a que melhor encaixa na primavera...

lembrei-me agora do jacques brel quando num dos poemas fala de como é triste morrer na primavera...
mas o Hesse e aquele ar de criança aos 70 anos não me sai da cabeça... sim, ele a olhar como quem se assiste a si mesmo a esvair-se, a si mesmo-comédia...

beijO*

Om-Lumen disse...

Ainda nos aguardam letras que nunca foram juntas, palavras nunca antes proferidas envolvidas na serenidade da luz de uma manhã alva.

Ainda nos aguarda o que hoje ainda não pode ser dito, porque somos surdos perante a voz simples da vida.

Entretanto, saboreemos este momento vazio de corpo mas cheio de alma.

A morte virá é certo, mas somente para o que já não nos faz falta.

Om-Lumen

un dress disse...

nunca sentir que deus está em toda a parte fez tanto sentido.
em qualquer das suas formas.

e também aqui.
aqui também. ~~~

Rachel C Miller disse...

Like the seasons of our life "we wait
to die "

Rachel C Miller disse...

Or is that we "live to die" ?

un dress disse...

we live to die

we wait to die

we live in-between: so, let´s live rachel!!!



beijO :)